"Musa trágica da Revolução", no dizer de Carlos Drummond de Andrade, Patrícia Galvão, viva, de forma colorida e ao mesmo tempo dramática, nos guiará para uma das épocas mais efervescentes da vida cultural e política do País, por intermédio dessa incansável pesquisadora de Pagu, Lúcia Maria Teixeira Furlani, que desde 1988, se dedica ao resgate da memória de Patrícia Galvão. Mais...

Pagu – Patrícia Galvão: livre na imaginação, no espaço e no tempo

Sinopse Narra a trajetória da vida de Pagu, Patrícia Galvão (1910-1962) que teve destacada atuação no cenário político e cultural brasileiro. A Pagu ousada, polêmica, musa de rara beleza e glamour, participante do Modernismo, em sua fase mais revolucionária, a Antropofagia, militante do Partido Comunista Brasileiro e depois dissidente e crítica do mesmo partido, a […]

Mais...

Eternamente Pagu

Por Daniela Nakamura Acadêmica de Jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina Insatisfação, rebeldia, inovação. Palavras que ajudam a definir o comportamento da escritora, jornalista e ativista política Patrícia Rehder Galvão, que usou o apelido Pagu, dado pelo poeta Raul Bopp, como um nome de guerra. Suas atitudes atrevidas já preocupavam seus pais, ricos e […]

Mais...